Com los Recuerdos al hombro

FIQUE RICO SEM SAIR DE CASA

19 de abr de 2010

O dia em que a Rosa apanhou

Muitas pessoas me perguntam se a minha familia é composta de só de loucos. Eu concordo. Só tem loucos nessa familia - se é que dá pra chamar de familia - só loucos. Não como aquele cântico da torcida do Corinthians, que diz "que aqui tem um bando de louco", é muito pior. Existem vários tipos de loucura. Louco de feio, de bonito, de rico, de pobre, de ruim, enfim, vários. Tenho quase certeza que eu me encaixo em várias delas.
Mas eu tenho uma tia, a Rosa, mas ela não é louca como muitos dizem, ao contrário, ela é doente. Tem um retardo mental. Não tem noção do que faz. Hoje ela é mulher adulta, na faixa dos quarenta anos. Devido a esse retardo, muitas pessoas abusavam dela quando mais nova. Ela teve três filhos, digo teve, pois dois já faleceram, o Bazildo, inclusive, comentarei mais tarde.
O Alceni, meu pai, esse sim era louco. A Rosa, em virtude dessa deficiência, fazia várias coisas, que encomodavam todo mundo. Gritava, chingava, brigava, chorava; sempre que lhe faltava o remédio, o famoso Gardenal, acontecia isso. Era sempre assim, era só faltar o remédio, que lhe dava essas "loucuras". Ah, e como fumava, desde muito cedo.
Um dia daqueles, e lá se vão mais de vinte anos, pela primeira vez eu ouvi os griteiros da Rosa. Ainda morávamos no Cerro (no mesmo chalé), bem perto da minha casa, morava minha vó, pois era quem cuidava dela. Assim, cerca de cinquenta metros de distância. E a ela gritava, chorava, esbaldava-se em seus devaneios.
Fui para o pátio para ver mais de perto a situação e para matar minha curiosidade, quando de repente vi meu pai vindo com um relho na mão. Até me assustei, pois pensei que fosse comigo. Não era. Era com a pobre da Rosa. Nunca tinha imaginado aquela situação. Ao invés de parar, ela gritava e chorava ainda mais. E ele batia cada vez mais. Fora a primeira atrocidade que vi ou ouvi meu pai fazer. Ao longo desses anos vi muitas, e a cada uma meu ódio por ele só aumentava. Infelizmente ele nunca teve o meu respeito.

Nenhum comentário:

Postar um comentário